Saúde e Bem Estar

A castanha de caju, além de muito saborosa, é uma grande aliada a saúde

Benefícios da Castanha do Caju na Prevenção de vários tipos de Câncer: Caju maduro e rico em proantocianidinas, que é uma classe de flavonóides que realmente acaba com tumores e com as células cancerígenas. Estudos também têm mostrado que o caju pode ajuda a reduzir o risco de câncer de cólon. O seu alto teor de cobre e sua semente tem o poder de eliminar os radicais livres e eles também são boas fontes de fitoquímicos e antioxidantes que nos protegem de doenças cardíacas e câncer.

Benefícios da Castanha do Caju Para Saúde do Coração: Caju tem um teor de gordura menor do que a maioria dos outros frutos secos, porém ele possuir ácido oleico, a mesma gordura monoinsaturada saudável para o coração encontrados no azeite de oliva. Estudos mostram que o ácido oleico promove uma boa saúde cardiovascular, ajudando a reduzir os níveis de triglicéridos, os níveis elevados que estão associados com um risco de doença cardíaca.

Substitua o sal comum de cozinha pelo Sal do Himalaia

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que sejam consumidos de 5 a 6 gramas de sódio (presente no cloreto de sódio, o sal de cozinha) por dia. Enquanto isso, brasileiros consomem diariamente, em média, 12 gramas por dia, ou seja, o dobro do aconselhado. E você consome sal corretamente?

Muito se ouve falar sobre o sal de cozinha comum, branco, iodado e refinado, na verdade, este ingrediente se tornou o grande vilão da dieta de quem quer levar uma vida mais saudável através da boa alimentação. Quando consumido em excesso, pode causar diversas doenças, como hipertensão e problemas cardíacos, acidente vascular cerebral (AVC), além de problemas como a retenção de líquidos, estrias, celulites, e também atrapalhar o ganho de massa muscular e a absorção de cálcio pelo organismo (interferindo no crescimento de crianças e adolescentes).

Vale lembrar também que o consumo diário deste produto, como tempero de saladas e pratos quentes representa apenas 20%. Os outros 80% estão nos alimentos processados e industrializados que colocamos à mesa, como frios, embutidos, enlatados, salgadinhos, molhos prontos, etc.

Modismos à parte, atualmente uma nova opção de sal tem estado em alta, e traz consigo a promessa de trazer mais saúde e menos sódio ao consumidor: o Sal do Himalaia. Ele é extraído a partir do mar fossilizado que existia aos pés da cordilheira do Himalaia e recebe uma coloração rósea devido a quantidade de óxido de ferro. Por volta de 200 milhões de anos atrás o bater das ondas do mar nas montanhas gerou uma camada de sal cristalizado, que foi coberta por lava e assim permaneceu intocada e preservada, protegida de todos os poluentes vindos da superfície. Por esse motivo, acredita-se que o sal do Himalaia seja o sal de maior pureza encontrado no planeta.

Sem sofrer o processo de refinamento e por ser lavado manualmente, este sal rosa como também é chamado, tem uma rica composição apresentando 84 minerais e elementos diferentes como o cloreto de sódio, sulfato de cálcio, potássio e magnésio; todos encontrados e absorvidos facilmente pelo organismo.

Já o sal comum de cozinha tem a maioria de seus minerais retirados, restando apenas o cloreto e o sódio. Em seguida ele é branqueado e limpo com produtos químicos, para então ser aquecido a temperaturas elevadas. O iodo que é adicionado é, quase sempre, sintético. Além do sódio em excesso, o sal comum conta com substâncias químicas perigosas, como o ferrocianeto e o silicato de alumínio, que representam 2,5% do produto e são extremamente tóxicos e portanto prejudiciais à saúde.

Mas a maior diferença entre os dois está na quantidade de sódio: enquanto 1 grama de sal refinado contém 400 mg de sódio, o Sal do Himalaia contém 230 mg. A grande preocupação do excesso de ingestão de sódio hoje em dia, se dá por conta deste componente estar presente em diversos outros alimentos, como refrigerantes light e até mesmo na água engarrafada que compramos nos supermercados, que quando em altos níveis em nosso organismo, pode causar os problemas de saúde citados no início deste artigo.

Muito importante ressaltar que o sal consumido em quantidades normais é fundamental para o nosso bem-estar físico. Ele é essencial à nossa saúde e alimentação, atuando no equilíbrio da água de nosso corpo e na entrada e saída de nutrientes e de outras substâncias de nossas células, sendo indispensável para a nossa saúde e para o bom funcionamento do organismo. Além disso, o sódio também controla funções vitais, como os batimentos cardíacos, contrações musculares e transmissão de impulsos nervosos. Ainda há diversos distúrbios causados pela deficiência de iodo (que é adicionado ao sal de cozinha) no organismo. O iodo previne problemas como a surdez, o bócio, abortos prematuros e hipotireoidismo.

O Sal do Himalaia é bem mais caro que o sal comum mas parece ser a melhor opção em termos de custo benefício para quem está determinado a investir na saúde. Porém, fique atento a marcas boas e conhecidas, pois infelizmente já existem alguns falsificados no mercado.